O Projeto Verdeluz nasceu em 2013 a partir sonho de alunas da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Ceará de criar um projeto de extensão que colocasse em prática o tão discutido conceito de sustentabilidade. A ideia era aliar meio ambiente e ação social através da educação ambiental para crianças. Então, saímos da Universidade e fomos para a rua, mais especificamente para a Associação Boca do Golfinho, no antigo bairro de pescadores do Serviluz, Fortaleza. Foi aí que o sonho virou realidade e se transformou no que hoje é o Instituto Verdeluz.  

Desde então, foram implementados  30 projetos, que vão desde oficinas semanais nas comunidades até grupos de estudos para compreender melhor temáticas socioambientais. Mais de 200 voluntários já passaram pela organização, e hoje contamos com 60 voluntários ativos distribuídos nos 6 projetos atuantes em 2017. Além disso, temos contribuído no debate e formulação de políticas públicas, estamos presentes em conselhos e em conferências internacionais!

Nesse período, contribuímos no debate acerca da criação e aplicação de várias políticas públicas, tendo participado das oficinas de formulação do Plano Nacional de Juventude e Meio Ambiente, e estando participando da elaboração do Plano Municipal de Educação Ambiental de Fortaleza. Fazemos parte dos conselhos de duas unidades de conservação: o Conselho Gestor das Unidades de Conservação Municipais da Sabiaguaba, e o Conselho Gestor do Parque Estadual Marinho da Pedra da Risca do Meio. Também estamos no Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos. Conferências de clima: COP 20, em Lima Peru, 2014, com uma delegação de 2 pessoas; COP 21, em Paris, França, 2015, com uma delegação de 6 pessoas; COP 22, em Marrakech, Marrocos, 2016, com uma delegação de 2 pessoas. Conferência sobre a ODS 14, em NY, 2017.

Missão

Suscitar o pensamento crítico e complexo acerca das relações humanas com o ambiente, consigo mesmo e com seus semelhantes.

Visão

Um ser humano com consciência ecológica e coletiva, guiado por  seu senso de pertencimento à Natureza e à comunidade que o cerca.

Valores

Autonomia, Inclusão, Ecoafetividade, Alteridade, Proatividade, Resiliência.

 

Círculo de Ouro

 

Por quê?

A humanidade está causando danos como nunca à nossa casa comum: o planeta Terra. A crise não é só ambiental, mas também humana. Estamos desconectados uns dos outros e da natureza, porque nos desconectamos de nós mesmos. Vivemos um dia depois do outro, como uma engrenagem de um sistema ao qual parecemos aprisionados. Afinal, qual o sentido da vida?

O Verdeluz é um espaço criado por jovens que acreditam em algo mais. Acreditamos que é possível olhar para dentro de si e encontrar um propósito, e que esse propósito é o caminho para construirmos um mundo melhor. Acreditamos que ideias surgem para serem colocadas em prática e que não vamos conseguir encontrar a solução sozinhos. São várias as soluções, assim como são várias as pessoas que podem se juntar à gente na busca de uma mudança que começa em nós. Queremos ter voz, queremos lutar pelo que acreditamos, queremos transformar sonhos em realidade, queremos nos conectar. E por isso estamos no Verdeluz.

Como?

A educação é a base da nossa construção. Além da educação, acreditamos que a participação ativa das pessoas nos assuntos coletivos é necessária para mudar a nossa realidade. Assim, nossos projetos são voltados para a educação ambiental e para a participação política como ferramentas de mudança social.

O quê?

Nossos projetos de educação ambiental são baseados na inter e na transdisciplinaridade. Atualmente temos o EcoEnglish, o GRU, o Recife Vivo, o GTar e o Agroeco.
Já nosso setor de participação política, capitaneado pelo Comitê de Estudos e Políticas Ambientais, trabalha a inserção de jovens na elaboração de políticas públicas, em conselhos, conferências internacionais, dentre outros espaços de participação social.

Método Verdeluz

O mundo a nossa volta nos parece muito complexo em suas relações, sendo necessária grande capacidade de compreensão, paciência, autonomia, criatividade e resistência para o desenvolvimento de nossas tarefas. As problemáticas nas quais trabalhamos são fruto das necessidades das comunidades impactadas ou das observações participantes dos membros do Instituto.

Em sua trajetória o Verdeluz trabalha com Educação Ambiental, se identificando de modo mais intenso com as correntes , segundo Sauvè (2005), crítica, sistêmica e práxica. Além disso, utilizamos dos referenciais de interdisciplinaridade e transdisciplinaridade para definição de temáticas centrais a serem trabalhadas e como meio de ter maior impacto de transformação socioambiental e formativo. A ecocidadania é outro conceito importante em nossa prática, para considerarmos o meio ambiente como base fundamental para o nosso desenvolvimento. Para trabalhar a temática, utilizamos de diversos métodos educativos que seguem tais conceitos, através de rodas de conversas, exibição de fotos e vídeos, exposições, trilhas ecológicas, produção de revistas, palestras em escolas, Universidades públicas e particulares ou espaços abertos, e participando de conselhos gestores de unidades de conservação.

Educação Ambiental

Crítica: Desconstruir as realidades socioambientais visando a transformar o que causa problemas, sempre visa a causa dos problemas.

Sistêmica: Desenvolver o pensamento sistêmico: análise e síntese para uma visão global. Compreender as realidades ambientais, tendo em vista decisões apropriadas, sempre busca avaliar o todo para partir para grupo focal.

Práxica: Aprender em, para e pela ação. Desenvolver competências de reflexão. A prática, seguida de reflexão, vai aperfeiçoando pouco a pouco a ação.